Mônica e Riuvânio, o casal patense que abriu uma Escola de Falcoaria em Monte Verde

Por Caio Machado

Quatro anos atrás o casal de professores patenses Mônica e Riuvânio deixavam a cidade para se mudar para o distrito de Monte Verde, localizado no sul de Minas Gerais, e dar início a uma atípica escola de falcoaria.

Localizada na Rodovia Agostinho Patrus, a quatro quilômetros de Monte Verde, a Escola de Falcoaria (ESCO°FALCO) instrui os visitantes sobre a arte milenar da falcoaria, por meio de interações animais assistidas e workshops lecionados pelo casal.

A história de Mônica e Riuvânio teve início na Escola Estadual Elza Carneiro Franco, o Polivalente, onde ela lecionava inglês e ele cursava o ensino médio. Depois de Riuvânio se formar, a amizade dos dois se transformou em namoro e em seguida, casamento.

Da união matrimonial, vieram os filhos Clara e Ivan, que receberam o especial sobrenome “Moriá”, uma junção das silabas iniciais do nome de Mônica e Riuvânio, somadas à primeira sílaba do substantivo amor.

Conhecido como Rui desde a adolescência, Riuvânio estudou biologia e logo já estava lecionando em Patos de Minas. Mônica recorda que desde que conheceu o marido, ele era apaixonado por aves de rapina.

“A maioria dos homens passa os fins de semana no bar ou jogando futebol. Ele ia treinar aves. Meus amigos e parentes até caçoavam de mim dizendo, ‘coitadinha da Mônica, casou-se com um rapaz que gosta de brincar com passarinho’ “, lembrou.

Além de possuir uma ave de rapina em casa, adquirida num criadouro comercial e devidamente registada, Riuvânio também cuidava de aves resgatas pela Polícia Militar e as recondicionava para serem devolvidas à natureza.

A família morava no Bairro Guanabara e se tornou natural o hábito de que Rui seguisse para o Copabana, bairro próximo, pouco habitado e com grandes espaços abertos, para cuidar e treinar as aves. Hábito que ele manteve por 25 anos.

O casal acompanhado de Ronivon Viana da Silva da ENFALCO
Em meados do ano 2000, ele se aprofundou mais e foi o primeiro aluno matriculado na ENFALCO (Escola Nacional de Falcoaria), em Uberlândia, onde foi tutorado por Ronivon Viana da Silva e obteve a formação de falcoeiro.

“Devo tudo que eu sei ao Ronivon, naquela época não existia internet e eu fui com a cara e a coragem. Quase todos os fins de semana, deixava a Mônica e as crianças em casa e ia pra Uberlândia para estudar”, contou Rui.

Os anos se passaram e os filhos do casal foram cursar universidade fora da cidade. Em 2014, por sugestão de uma colega de trabalho de Mônica, a família viajou a passeio para o distrito de Monte Verde, situado no município de Camanducaia.

No ano seguinte, o casal regressou sem os filhos e a paixão de Riuvânio pelo lugar aumentou. Dois meses depois ele sentiu que algo de especial poderia acontecer e voltou sozinho para aquele frio lugarejo turístico.

Ele ainda lecionava em Patos de Minas, mas decidiu apresentar um projeto para fazendeiros locais. Ao entrar na Fazenda Radical, mostrou a ideia para o alemão Robert Hamacher, proprietário do local, que ficou interessado.

O projeto envolvia aves de rapina e era uma mistura de atração turística associada ao aprendizado e ensinamento de uma escola. Hamacher não só comprou a ideia, como ofereceu um espaço para um projeto e um chalé para que Riuvânio pudesse morar.

“Lembro que Rui me ligou dizendo que iríamos nos mudar para Monte Verde e que havíamos até conseguido uma casa para morar. Achei que era brincadeira, pois é um lugar caro onde todos querem viver, mas de repente estávamos nos mudando”, disse Mônica.

Por sorte, ela estava prestes a se aposentar. Enquanto isso, Riuvânio permaneceu seis meses sozinho no local, treinando um gavião e uma coruja, e fazendo os preparativos estruturais do que viria a se tornar a escola de falcoaria.

Riuvânio foi muito bem acolhido na Fazenda Radical. Robert estava adoentado, e neste período, Rui o levava para o hospital e para consultas em São Paulo, pois a esposa dele, Eliana Colla Hamacher, não sabia dirigir.

Gaia, um gavião asa de telha
Em 2016, o casal se uniu em Monte Verde e começou a esboçar e compreender como funcionaria a ESCO°FALCO. Em pouco tempo, eles anunciaram a abertura das atividades e iniciaram o projeto.

Aos poucos, a Escola de Falcoaria foi crescendo, ganhando visibilidade na região e boas avaliações nas redes sociais. Após um tempo, Robert Hamacher faleceu e depois de três anos de estadia na fazenda, o casal arrendou um novo local e atual endereço.

“A missão de Robert foi nos colocar em um lugar onde pudéssemos trabalhar e talvez se ele não tivesse dado a oportunidade, nunca teríamos nos fixado aqui, pois não tínhamos nada além do sonho e a vontade de trabalhar”, contou Mônica.

No novo espaço, houve uma melhoria do trabalho, o aprimoramento da estrutura, a obtenção de novas aves e uma considerável profissionalização dos conteúdos ministrados e lecionados na Escola de Falcoaria.

A falcoaria é uma arte de mais de 6000 anos que consiste em utilizar aves de rapina como instrumento de caça. Pelo fato de a caça ser proibida no Brasil, a escola apenas fornece instruções de manejo, e não pratica a falcoaria propriamente dita.

Mônica e Riuvânio salientam que o principal objetivo da escola é a instrução. “Não permitimos que ninguém entre aqui sem sair instruído sobre a arte milenar da falcoaria, da biologia das aves e do cuidado com o meio ambiente”.

Ao contrário do que parece, a Escola de Falcoaria não funciona como um zoológico e sequer está aberta para a visitação de curiosos. Para praticarem as duas atividades oferecidas, os visitantes precisam agenda-las com antecedência.

A ESCO°FALCO oferece uma interação animal assistida em que Riuvânio orienta os visitantes sobre a parte teórica da falcoaria e na sequência, os guia por um passeio orientado, exemplificando o manejo e os voos das aves de rapina.

Os workshops informativos sobre as corujas são ministrados por Mônica, que leva os participantes ao redor das aves e sem que haja nenhum contato entre eles, esmiúça os hábitos e curiosidade das mesmas durante a aula.

Alguns visitantes se irritam quando descobrem que as aves não estão em exposição e outros pelo fato de não haver falcões no local. A falcoaria, não se limita apenas a falcões, mas inclui gaviões, águias e corujas.

Mônica explica que ganhar a confiança de uma ave é um processo bem demorado, que demanda de muita paciência e uma dedicação exclusiva. “Um gavião leva seis meses para socializar e a coruja, mais arisca e voraz, até um ano”, relatou.

As aulas também possuem um número máximo de participantes, limitando em apenas oito, os participantes das atividades envolvendo os gaviões, e apenas quatro para a interação com as corujas.

“As aves que compõem o plantel da escola não nascem na natureza, elas vão parar no local por meio de um intercâmbio comercial entre a escola e criadouros do Brasil”, disse Riuvânio, que obtém os animais no criadouro Fukui no Rio de Janeiro e a ENFALCO.

Riuvânio prestes a soltar um gavião resgatado pela PM
A ESCO°FALCO também realiza um trabalho voluntário em parceria com o Ministério Público da comarca de Camanducaia e com a Polícia Ambiental, reabilitando e devolvendo à natureza as aves resgatadas, apreendidas ou encontradas.

“Estamos realizados, porque encontramos um lugar muito bom para estar e o Riuvânio está muito reconhecido como o bom profissional, biólogo e falcoeiro que é”, disse Mônica orgulhosa.

É interessante ressaltar que o antigo apelido de Riuvânio ficou para trás. A nomenclatura surgiu quando professores acreditavam que o nome dele havia sido grafado incorretamente, chamando-o de Ruivânio, que logo se encurtou para “Rui”.

O próprio Riuvânio achava que a mãe o chamava pelo nome errado até consultar a certidão de nascimento. “Em Monte Verde ele renasceu como Riuvânio e eu confesso que levei um tempo para perder o costume de chama-lo de Rui”, comentou Mônica.

Interessados em conhecer a Escola de Falcoaria podem obter mais informações no endereço eletrônico https://escoladefalcoaria.com.br/ ou pelas redes sociais Facebook e Instagram.

 
Vídeo produzido à pedido do Colégio Marista de Uberlândia

Postar um comentário

8 Comentários

  1. Admiro esse casal demais! Riuvanio foi meu aluno na Biologia. Muito amada tambem. Sucessos pra essa casal incrível

    ResponderExcluir
  2. A Escola é uma lição de vida pra muito alem da Falcoaria! É um trabalho que convida a todos a contemplar a natureza, olhar pra si com olhos mais aguçados, mas especialmente ver nesse casal a força do companheirismo e da perseverança!

    ResponderExcluir
  3. Parabéns professor Rui sempre admirável.

    ResponderExcluir
  4. Parabéns ao casal pela lição de vida em tds os sentidos. Deus abençoe os projetos de vcs.

    ResponderExcluir
  5. Parabéns aos dois,que Deus os abençoe em cada projeto!bjus Mônica,sempre sabiá!❤️🌹🙏

    ResponderExcluir
  6. A minha admiração por esse casal aumenta cada dia. Que travalho maravilhoso e abençoado estão fazendo. São instrumentos nas Mãos do Senhor, para nos ensinar um pouco mais da natureza....que orgulho de te-los como amigos!!!!

    ResponderExcluir
  7. Parabéns professor Riuvânio!!!!

    ResponderExcluir
  8. Parabéns professor Riuvânio!!!!

    ResponderExcluir

Obrigado por comentar!