Amanhecer

Por Elza Maia


Olhou,
Com os olhos espelhados,
como um reflexo de um lago,
tão carinhosa e gentil para o céu de junho,
frio e cálido,
tão tácito e recheado com nuvens forasteiras,
distantes e macias
O vento suave lhe acarinhava os cabelos enquanto se aquecia no meio do dia
Inspirou tão de mansinho que seu coração mal se ergueu de seu peito e contraiu-se novamente
Inspirava liberdade naquele ar pesado
e sujo
e fazia dele tão leve como uma bruma ao amanhecer no mar
Era livre.
Libertara-se de si.
Amava e sentia.
Existia, em algum lugar.


Elza Maia é uma amante da escrita e aprecia colocar no papel os sentimentos da vida cotidiana. Futura psicóloga, pretende mesclar as duas paixões em uma.

Apoie o jornalismo independente e colabore com doações mensais de a partir de R$1,99 no nosso financiamento coletivo do Padrim: https://padrim.com.br/jornaldepatos

Postar um comentário

1 Comentários

Obrigado por comentar!