Desígnios

Por Natália Marins


Pássaros voam na imensidão além da minha janela, observo os voar, queria trocar de lugar.
Parecem leves desfrutando do seu próprio jeito de serem livres.
A liberdade dos pássaros não é tão diferente da minha, eu apenas não tenho asas físicas mas minha mente pode voar além no inimaginável à compreensão de realidades.
A questão é que a cada ser foi dada uma função, cada qual com suas habilidades e dificuldades.
Se por escolha como Ícaro da mitologia eu pudesse construir asas das velas que acendo e das penas que tenho de mim mesma para sair do labirinto, mas a luz da razão também poderia cegar.
A minha natureza é a mesma dos passarinhos, também vou passar, criar ninhos, aprender a voar e enfrentar o medo do desconhecido.

Pense que peculiar seria um pássaro azul de poucos centímetros de calça jeans no centro perguntando "onde fica a loteria sr.?"
O arbítrio é livre pra escolher, estamos sujeitos a compor o todo agindo de forma intuitiva e natural.
Ir contra o que se é
É negar a si mesmo, existem infinitas possibilidades em cada universo particular e o autoconhecimento eleva.

Vôo usando as asas da minha consciência e talvez na próxima vida eu possa escrever no céu uma bela história.
Nesta natureza humana, uso as palavras pra chegar ao céu e canto com os pássaros.


Natalia Marins é formada em Letras pelo Centro Universitário de Patos de Minas, tutora, poeta, slammer, sonhadora e sensível à simplicidade.

Este conteúdo foi possibilitado por diversos financiadores, dentre eles, a Liliane Borges. Faça como ela e apoie o jornalismo independente colaborando com doações mensais de a partir de R$5 no nosso financiamento coletivo do Catarse: http://catarse.me/jornaldepatos

Postar um comentário

1 Comentários

Obrigado por comentar!